sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Final de semana será chuvoso em Campo Grande

Mês de outubro inicia com frente fria em todo o Estado


Alana Regina


A sexta-feira (29) começou chuvosa em Campo Grande e a previsão é de tempestade para todo o final de semana e frente fria para próxima segunda-feira (2). Após 42 dias sem chuva na Capital, desde a madrugada de hoje, já choveu cerca de 34,2 milímetros, e ainda deve chover mais 46,3 milímetros, metade do valor que era esperado para o mês de setembro. Em Mato Grosso do Sul o INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) informou que o alerta é “Laranja” até sábado (30).

Conforme o Instituto o “Alerta Laranja” quer dizer perigo, aviso de tempestade. As informações do INMET revelam chuva entre 30 e 60 mm/h ou 50 e 100 mm/dia, ventos intensos (60-100 Km/h), e queda de granizo em todo o Estado. Risco de corte de energia elétrica, estragos em plantações, queda de árvores e de alagamentos.

Ainda segundo informações do Instituto de Meteorologia, as regiões afetadas serão Leste, Sul e Sudoeste sul-mato-grossense, além do Pantanal e o Centro-norte do Estado.

Frente fria


A coordenadora Técnica CEMTEC/MS-Agraer, Franciane Rodrigues informou ao jornal O Estado que uma frente fria deverá se organizar sobre o sul do país e vai ajudar a formar nuvens carregadas sobre o Centro-Oeste durante a segunda-feira (2) e poderá chover a qualquer momento do dia em Mato Grosso do Sul.

“As temperaturas ainda estarão elevadas durante a segunda. Contudo, a queda nas temperaturas é esperada para terça em todo o estado devido a entrada de uma massa de ar polar”, contou. 

Confira as temperaturas do dia 2 de Outubro.

Campo Grande: min 18 Max 31
Dourados: min 18 Max 30
Três Lagoas: min 20 Max 33
Corumbá: min 21 max 30




quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Área em estado de degradação recebe 50 mudas de árvores

Ação ocorreu após clamor de um empresário no Facebook

Andrea Patino

Foto: Direto das Ruas
Uma área verde em estado de degradação próximo ao córrego Prosa foi presenteada com a plantação 50 mudas de árvores devido a uma ação ambiental que foi promovida na sexta-feira (22). O movimento ocorreu poucos dias depois do apelo em redes sociais de um empresário de Campo Grande para que salvassem o leito do curso d’água, que fica no bairro Cophamat.
 A situação do córrego chamou a atenção do Poder Público depois de uma publicação no Facebook pelo empresário Vamadewa Shivam e através do vereador William Maksoud (PMN), as secretarias de Obras e de Meio Ambiente foram mobilizadas para dar início aos trabalhos no leito e margens do córrego.
Em ato simbólico, foi realizado um dia após a celebração do Dia da Árvore e no dia que marca o início da primavera, 100 Paineiras foram plantadas próximas à margem do córrego com mais quantidade de lixo e com a vegetação queimada, no cruzamento com a Rua Tenente Antônio João Ribeiro.
Foi feita a remoção de detritos ao longo do córrego, que formou uma grande montanha de galhos secos e lixo ao longo da Avenida Nasri Siufi e para isso contou com o apoio de, pelo menos, 30 funcionários da Sisep (Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos).
Segundo o titular da Sisep, Rudi Fiorese, as equipes da secretaria realizarão a limpeza e remoção de detritos do leito e das margens do córrego, bem como a podas de árvores e manutenção completa do local. Segundo o titular da Sisep, Rudi Fiorese, o mais importante é que as pessoas preservem e contribuam com esse trabalho e com conscientização.
Foram escolhidas mudas maiores, com cerca de um metro e meio de comprimento, para resistirem às ações do tempo, humanas e a deficiência de nutrientes do solo, prejudicado pelas recorrentes queimadas no local, essa foi a explicação dada pela bióloga Taciana Orikassa, que acompanhou a ação.
 Estamos elaborando uma legislação específica que possibilite atividades culturais, de esporte e lazer nessas áreas e as transforme em um espaço protegido pela própria comunidade”, comentou William Maksoud. “Foi um ato simbólico, mas que não deixa de ter um resultado, ver o córrego e margens sendo limpos é um grande ganho.


Marido nega relação sexual e é esfaqueado pela esposa em Campo Grande

O homem foi encaminhado para a Santa Casa em estado grave

Alana Regina


Ciro Azevedo, de 40 anos, foi esfaqueado pela esposa, Juliana Rodrigues Pereira, 25 anos, por não querer ter relação sexual com a jovem. O caso aconteceu na noite de quarta-feira (27) no bairro Aero Rancho, região sul de Campo Grande.

O homem teve uma hemorragia após ser atingido pela companheira com um golpe de faca. Segundo informações do delegado da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga, Thiago Macedo, a mulher afirmou que o marido estava "diferente" e por isso cometeu o crime.

Conforme o delegado, esta é a segunda passagem de Juliana pelo mesmo motivo, mas com vitimas diferentes. A vítima foi encaminhada para a Santa Casa da Capital em estado Grave.

Inscrições para concurso na Câmara Municipal da Capital são prorrogadas

O edital foi divulgado nas edições de hoje (28) do Diogrande

Alana Regina


A Câmara Municipal da Capital adiou o prazo das inscrições do VI Concurso Público de Provas e Títulos para o quadro permanente de pessoal da Casa de Leis. O edital foi divulgado nas edições de hoje (28) do Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande) e do Diário da Casa. O novo prazo vai até o dia 9 de novembro.

São 49 vagas para nível superior, com valor de R$ 110, enquanto para concorrer outras 21 vagas de nível médio custam R$ 90,00. As provas serão aplicadas no dia 26 de novembro. Os interessados podem tirar dúvidas relativas ao concurso através dos telefones (67) 3345-5910 e (67) 3345-5915. As inscrições podem ser feitas através do site www.fapec.org/concurso.

CPI da Assembleia deve concluir investigação nos próximos 30 dias

Presidente da comissão afirmou já ter analisado mais de 100 mil notas fiscais 

Alana Regina

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquéritos) das Irregularidades Fiscais e Tributárias de Mato Grosso do Sul está na sua reta final, na Assembleia Legislativa. O Colegiado foi criado em junho deste ano, para investigar a denúncia realizada pelos executivos da JBS, referente ao pagamento de várias notas fiscais ‘frias’ emitidas nos últimos sete anos. A afirmação é do presidente da comissão, deputado Paulo Corrêa (PR).

“Foi aprovado ontem (27) que o governador apresente por escrito uma correspondência à CPI para que não paire dúvidas sobre nenhum processo que a CPI tenha aberto. O advogado da comissão está autorizado a entrar com as ações pertinentes para recuperar o crédito dos dois primeiros Tares”, disse o parlamentar sobre os Termos de Ajustes de Regime Especial que concederam incentivos fiscais a empresa.

 Conforme Corrêa a previsão é que a CPI tenha 97 dias de duração. “Esperamos concluir os trabalhos com o relatório final para ser votado, até porque analisamos mais de 100 mil notas fiscais. Esse trabalho é recorde graças aos membros e à nossa equipe da Comissão”, ressaltou.
 Na última quarta-feira, a Comissão Parlamentar de Inquérito realizou uma oitiva e convocou três pessoas, mas apenas uma delas compareceu a Casa de Leis. Isso porque, o convocado pelo Colegiado é colega de parlamento dos integrantes do Grupo das investigações, e ainda primeiro Secretário da Assembleia, deputado estadual Zé Teixeira (DEM).

Nelson Cintra e Zelito Ribeiro não compareceram a Casa para prestar esclarecimentos a Comissão, contudo justificaram as ausências aos parlamentares da CPI

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Dia de Cosme e Damião é comemorado com muitas guloseimas para as crianças

A festa no dia de São Cosme e São Damião é das crianças, mas as mães também participam

Andrea Patino

Foto: Andrea Patino

A tradição de distribuir saquinhos de doces no dia de Cosme e Damião começa no dia 26 de setembro quando é celebrado pelos católicos e se estende até o dia 27, data em que é comemorada pelos simpatizantes e praticantes do candomblé que fazem suas homenagens aos orixás protetores das crianças.
Esta diferença entre as datas existe porque, na mística do candomblé, os santos se diferenciam substancialmente da simbologia católica, muito embora compartilhem histórias semelhantes e até as mesmas imagens, fenômeno decorrente do sincretismo religioso. Os fiéis consideram São Cosme e São Damião padroeiros dos médicos, cirurgiões e farmacêuticos por terem estudado medicina. 

A alegria da criançada

Foto: Andrea Patino
Ô trem bom esse suspiro”, disparou Kauã, de 11 anos, com a boca lambuzada e os olhos voltados para saquinhos repletos de maria-mole, pé de moleque, balinhas, chicletes e pirulitos. Morador do Bairro Taquarussu, ele sai pelo bairro e redondezas em busca dos doces que são distribuídos por moradores para lembrar o dia de São Cosme e São Damião, padroeiros dos médicos e das crianças.

“É um dia muito legal para as crianças, saio com eles todos os anos para pegar doces e garantir a segurança, já é uma tradição” admitiu Adriana Dos Santos toda feliz com seus saquinhos recheados de doces, e ainda brinca: - Se você não sofre de diabetes e não tem problemas com glicose alta, pode me acompanhar. As guloseimas são entregues por devotos dos santos ou cumpridores de promessa. A tradição é seguida à risca todos os anos por fiéis católicos e de religiões de matrizes africanas.




 Entenda a diferença

Para os católicos, segundo a tradição, no Século III, Cosme e Damião nasceram na Ásia, em um contexto de forte repressão religiosa do Império Romano. “Foram dois jovens considerados médicos, que faziam o bem a quem precisasse, principalmente às crianças, sem esperar nada em troca. Por isso, os católicos têm a devoção de oferecer às crianças saquinhos de doces, pois eles representam gentileza e caridade. Eles foram sentenciados à morte pelo imperador romano Deocleciano por volta do ano 300 d.C., em razão de professarem a fé cristã e, desde então, passaram a ser considerados mártires do cristianismo.
No Candomblé e Umbanda, são conhecidos como os orixás Ibejis. Orixás africanos que também eram irmãos gêmeos e que atendiam de graça em troca de doces e brinquedos. Há o costume de fazer caruru (uma comida típica da tradição afro-brasileira) e distribuir para as crianças. Eles têm como características crianças bem levadas e no caso de promessas descumpridas, prega travessuras e podem reverter os pedidos. Segundo a mística, um dos irmãos gêmeos morreu afogado e, desolado, o outro irmão pediu para também ser levado.
“No caso do catolicismo, Cosme e Damião são mártires. No candomblé, são referências aos orixás Ibejis. Em comum, ambos são apresentados como irmãos e têm outras semelhanças, porém as diferenças também são determinantes”, explica Pai Nino D Osumarê, da Federação de Umbanda e Candomblé. E ainda completa: - "Os dois são representados pelas mesmas imagens, mas são representações diferentes".







Em missão humanizada, Instituto Amigos do Coração leva projeto social às comunidades ribeirinhas

O grupo conta com 28 voluntários que levarão roupas e medicamentos para as famílias 

Ana Palma

O Instituto Amigos do Coração (IAC) está em busca de doações para mais um projeto especial intitulado "Devolvendo Sorrisos", realizado no Pantanal de Mato Grosso do Sul.

Neste ano, a missão acontece do dia 11 ao dia 15 de outubro e contará com a entrega de roupas, brinquedos, utensílios domésticos e medicamentos, para a Comunidade Tradicionais Ribeirinhas, às margens do Rio Paraguai, como Porto Morrinho, Porto Esperança, Forte Coimbra e Aldeia Chamacoco. As doações serão arrecadas até o dia 06 de outubro, sexta-feira. Além dos objetos, também aceitarão ajuda em dinheiro.

Ao todo 28 voluntários devem colaborar com esta missão, levando alegria e saúde para os moradores dos locais. "Esses voluntários largam suas famílias, seus compromissos profissionais, seus afazeres para se dedicarem em tempo integral a várias comunidades que vivem de necessidades que nem imaginamos. E precisamos levar esses itens de uso básico", afirma Estevom Molica, presidente do IAC.

Além das doações, o instituto oferece atendimentos médicos, odontológicos, veterinários, enfermagem, corte de cabelo, hortas comunitárias, entre outras ações.

"Tudo aquilo que não lhe serve mais, certamente terá utilidade a alguém. Acreditamos que as atitudes solidárias podem transformar nosso planeta", destaca Estevom.  

A rede formada pelos amigos do coração só cresce e sempre há espaço para um novo elo, novas ideias, novos amigos e, sobretudo, mais mãos dispostas a fazer o bem.

Lista de doações:

                Roupas (adulto/infantil)
                Calçados (adulto/infantil)
                Utensílios Domésticos
                Brinquedos
                Enxovais de bebê
                Roupas de cama, mesa e banho
                Medicações
                Produtos de higiene pessoal
                Alimentos não perecíveis (arroz, feijão, óleo, açúcar e leite em pó)

Missão


O Instituto Amigos do Coração tem como missão acolher vidas e promover ações que proporcionam melhores condições biopsicossociais a seres humanos que se encontram em vulnerabilidade e risco.

Como doar


As doações são recebidas na sede do IAC, localizada na Rua Eduardo Santos Pereira, 2.015, Bairro Jardim dos Estados. A entrega pode ser feita de segunda à sexta-feira, das 13h às 18h; sábado das 8h às 12h.

Caso a doação seja em grande quantidade, o IAC pode buscar.
Telefone: (67) 3023-4145.

CNPJ: 19.661.175/0001.78
Banco do Brasil
Agência: 5783-5 Conta Corrente: 42.385-8

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Na Capital, membro de facção criminosa é sequestrado, baleado e esfaqueado

O caso está sendo investigado e foi registrado como tentativa de homicídio

Alana Regina

Um jovem de 18 anos foi encontrado ferido por moradores da rua Cabreúva, no bairro Paulo Coelho Machado, região sul de Campo Grande. Conforme o boletim de ocorrência, Renan Felipe Rocha

Menezes havia sido sequestrado no bairro Moreninhas da Capital e levado para o local, onde, os suspeitos, esfaquearam e atiraram na vítima. Menezes diz fazer parte Comando Vermelho e que os autores teriam da facção rival PCC (Primeiro Comando da Capital).

De acordo com o boletim, moradores escutaram gritos de pedido de socorro, momento em que notarem o rapaz ensanguentado caído na rua. Renan Felipe contou que foi sequestrado por cinco homens que estavam em Peugeot de cor prata.

Conforme os relatos da vítima, os autores dispararam várias vezes contra ele e também desferiram golpes com faca. Devido aos disparos, o jovem teve perfurações no pescoço, ombro além de apresentar também corte na barriga e costas efetuados pelos criminosos com a arma branca.

Renan Felipe foi socorrido pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e encaminhado para a Santa Casa da Capital. O rapaz não quis contar detalhes sobre o ocorrido, mas afirmou pertencer a uma facção criminosa. A Polícia Militar foi até o local do crime, mas não encontrou nenhum vestígio. O caso está sendo investigado e foi registrado como tentativa de homicídio na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga.

Após fugir, ladrão é baleado durante perseguição policial em Caarapó

Jovem é menor de idade e foi encaminhado para Dourados, onde está internado

Alana Regina

Uma perseguição que teve início no Jardim Água Boa, em Dourados terminou no município de Caarapó, cidade 273,2 km distante de Campo Grande, com ladrão, menor de idade, baleado e apreendido na noite Da última segunda-feira (25). Conforme o site, Dourados News, a confusão teve início após roubo a Toyota Hilux, próximo ao cruzamento da avenida Marcelino Pires, com a rua Quintino Bocaiúva.

De acordo com registro policial, no decorrer da noite de ontem, uma mulher de 38 anos, teve o bem roubado, quando saiu de um estabelecimento comercial acompanhada das filhas, e uma amiga delas. No momento, o suspeito aproximou- se e anunciou o assalto, levando a caminhonete da vítima.

Em seguida, a vítima comunicou a Polícia Militar. Por sorte, uma das viaturas que trafegavam pela região do Jardim Água Boa percebeu o veículo passando e tentou abordagem, mas não obteve sucesso.

O suspeito fugiu em alta velocidade no sentido Caarapó pela BR-163. Na rodovia, o rapaz o efetuou disparos contra a equipe. Na praça de pedágio, ele chegou a arrancar uma das cancelas e seguiu fuga até se aproximar de uma barreira policial montada próxima a entrada da cidade vizinha.

De acordo com Dourados News, o jovem ainda tentou fugir, mas os militares atiraram contra o veículo e um dos disparos atingiu o seu rosto, e fez com que o suspeito parasse o veículo. Logo após apreensão, o rapaz foi levado para o Hospital São Matheus e depois encaminhado para Dourados, onde foi internado no Hospital da Vida sob escolta policial.

A arma utilizada pelo bandido foi encontrada jogada às margens da BR-163, próximo ao trevo da Embrapa, com seis munições, três delas deflagradas.
Com Dourados News

Criança fica cheia de hematomas após levar 19 mordidas em creche

Investigador alerta que as marcas não condizem com a agressão de uma criança

Alana Regina

A mãe, Marcia Sebastião, se assustou ao buscar o filho na creche e encontrá-lo cheio de hematomas espalhados pelo corpo. O caso aconteceu no dia 22 de setembro no município de Rio Brilhante, 161,5 quilômetros distante de Campo Grande. A mulher foi informada pelas educadoras que a criança tinha caído e sido mordida por um coleguinha. Entretanto, ao analisar o corpo do filho, a mãe constatou que havia 19 “mordidas”, espalhadas, inclusive no rosto.

“Eu cheguei lá por volta das 14h30 para buscar ele e a menina falou que ele tinha caído e sido mordido na turminha. São 19 crianças e só teria duas tias cuidando e enquanto uma estava trocando a outra estaria fazendo alguma outra coisa. Me falaram que ele tinha levado as mordidas e teriam derrubado ele, mas foi muito hematoma para uma criança ter feito isso”, disse a mãe indignada com a situação do filho.

Conforme Marcia Sebastião, o filho com pouco menos de dois anos de idade, fica no local desde quando era um bebê. Ao perceber os ferimentos, a mãe levou a criança direto para o hospital e em seguida fez um boletim de ocorrência sobre o acontecido.

“A diretora não estava no local. Procuramos o médico, pois é muito hematoma para um coleguinha só ter feito isso”, destacou.

De acordo com o site, Correio da Fronteira, o ocorrido causou revolta nos moradores da cidade, e um investigador da Polícia Civil advertiu que as marcas não condizem com a agressão de uma criança.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Observação de pássaros vira atrativo em Campo Grande e vem se tornando ponto turístico devido a variedade de espécies

Esse hobby começa a atrair a atenção das pessoas na nossa capital

Andrea Patino

Foto reprodução:(Cleber Gellio/Midiamax)

Campo Grande conta com quase 400 espécies de aves que cantam e encantam com suas belezas, um número considerado grande levando em conta que vivem em meio a poluição e ao concreto. O amanhecer em Campo Grande é algo mágico, dessa forma somos presenteados com a beleza e maestria dos cantos e farras que fazem expressando alegria. Somos contemplados ao ver uma arara no céu a qualquer hora do dia, Tucanos ou Sabiás e várias aves que formam um conjunto de belezas naturais.


Ao passar na avenida Fernanda Corrêa Da Costa o que chama a atenção é um Sococó-Dorminhoco, também chamado como Savacu, um pássaro grande que sobrevoa o córrego, espécie típica do serrado, mas que também completa essa beleza natural em nossa capital, seu refúgio fica perto do córrego, pois é um pássaro que gosta de água.

Um belo presente para quem passa no local. A bióloga Simone Mamede explica que a enorme quantidade de árvores, parque e áreas de preservação coopera para a tamanha adversidade dessas passaradas. Sócia-diretora do Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental e Ecoturismo, destaca que o campo-grandense é um privilegiado por tal demonstração da natureza.

“Ainda podemos encontrar outras em Campo Grande espécies exóticas e raras, como o Gavião- Pega –Macaco, a Murucututu, o Gavião–Pato e o Bico De Pimenta. Também podemos encontrar o Rapazinho do Chaco, já que ele é mais comum em Porto Murtinho.É uma capital com muita biodiversidade” completa Simone.
Vivemos na capital do turismo de observação com tantas aves, um programa inclusive para especialistas e está previsto para o mês novembro o próximo evento de observação de aves.

No último evento ocorrido em março deste ano, Campo Grande recebeu um importante estímulo e valorização. Foi instalada no Parque do Prosa, uma placa de identificação de aves, que traz o nome cientifico, o nome popular e informações das espécies que podem ser encontradas na área. O IMASUL (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso Do Sul) é responsável por essa segunda unidade de conservação e a receber esse tipo de equipamento, sendo que o primeiro foi o Parque Estadual das Várzea do Rio Ivinhema.

O Risco no refúgio


Segundo a bióloga Simone Mamede, a beleza dessas aves encobre o problema no ecossistema, como a destruição de seus habitats e caça predatória fazendo disso um desafio à sobrevivência dessas espécies que acabam encontrando refúgio na cidade.

E não para por aí, por estarem em área urbanas eles ainda ganham outras ameaças como os vidros espelhados. As vidraças com reflexos confundem os pássaros que vem a continuidade do céu e acabam se chocando nessas construções. Os fios de alta tensão e que não tem proteção também são preocupantes. Segundo a bióloga existem muitos registros e esse é o maior desafio. 

Chove nesta segunda-feira (25) em Campo Grande após 37 dias de estiagem

Segundo meteorologista, a chuva permanece por mais dois dias na Capital

Alana Regina

Depois de 37 dias de estiagem, chove em Campo Grande nesta segunda-feira (25). Apesar do longo período sem chuva, a previsão é de pancadas de chuva isolada entre às 11 hrs e 15 hrs da tarde de hoje.  Conforme o meteorologista, Natálio Abrahão, a chuva está prevista até quarta-feira (27) na Capital.

“Podemos esperar trovoadas, ventos de rajadas, pouco volume. Não espere tanta água, mas amanhã e quarta tem repeteco”, contou o meteorologista sobre a previsão do tempo para os próximos dias na Capital.

Para hoje, a variação da temperatura é de 32º C máxima e mínima de 21º C. Possibilidade de chuva de 80% em Campo Grande, já a umidade relativa do ar é de 79%, enquanto o vento a previsão é de 26 km/h.

Perfil

Psicólogo destaca a importância do Setembro Amarelo no combate ao suicídio na Capital
Alana Regina


O psicólogo Edinelson Queiroz fala sobre a importância da campanha de prevenção ao suicídio, que teve início no começo do mês. O Setembro Amarelo vem para reforçar a importância da vida e valorizar a existência humana. Na entrevista, Queiroz revela que o índice de suicídio aumentou e no Brasil, cerca de 32 pessoas cometem suicídio por dia. Conforme ele, o assunto ainda é considerado Tabu na sociedade, contudo é necessário debater o tema para conscientizar a população do problema alarmante, que merece atenção.


Edinelson reforça que, na maioria das vezes, as pessoas que cometem o suicídio não querem tirar a própria vida, mas sim tirar o problema da vida dela. Contudo, por não acharem um refúgio e não procurarem ajuda de profissionais especializados na área para lidar com o assunto, optam pelo suicídio. O psicólogo ainda alerta que a fase da infância e adolescência, os cuidados precisam ser redobrados, pois é o momento da transição, no qual a pessoa está com um pé na infância e outra na fase adulta.

O profissional comenta que o ser humano tem emoção e precisa saber cuidar dela. De acordo com ele, o preconceito da sociedade com os problemas emocionais, como a depressão, ansiedade torna ainda mais difícil o tratamento de um indivíduo, que por medo de ser visto com outros “olhos”, não procuram acompanhamento médico.  Para Edinelson, não se pode obrigar uma a ser perfeita. “Ter um surto Psicótico é normal, você é um ser humano, o que não é normal é o preconceito, obrigar a pessoa a ser perfeita numa sociedade que não é”, frisou.

“Temos emoções e precisamos cuidar delas”, afirma psicólogo Edinelson Queiroz

Repórter- Como devemos tratar o assunto suicídio?

Queiroz-  São várias as formas de tratamento, mas o mais recomendado é a ajuda de um especialista pois geralmente a pessoa, sozinha, pode não conseguir encontrar uma alternativa mais viável. Existe também o suporte familiar que auxilia a pessoa no início de tudo, contudo quando o indivíduo não tem ou não se dá bem com família, a gente aconselha procurar ajuda de um especialista que é o psicólogo ou psiquiatra. O psiquiatra geralmente nos casos mais avançados, quando a pessoa está passando da fase de ideação para tentativa de suicídio, está tentando usar uns instrumentos, perfurar o corpo.

Repórter- Como podemos identificar que a pessoa está passando por problemas?

Queiroz- O suicídio tem uma fase bastante oculta, é sempre uma dor que a pessoa está vivenciando, mas ela não manifesta. Sempre tem um fundo emocional, a gente não sabe o que é, porém pode estar na origem familiar, algum problema no trabalho, algum estudo, pressão. Tem também a questão genética, algum componente genético, doença mental, pré-disposição para desenvolver a depressão, transtorno bipolar e esquizofrenia, umas doenças mais específicas da área emocional.  Tudo isso pode ficar guardado na pessoa e em algum momento vem à tona, por uma dificuldade dela de lidar com os problemas e desafios que o meio apresenta.

Repórter- Existe uma classificação por faixa etária, classe social econômica que mais acontece o suicídio?

Queiroz-  A pessoa que comete o suicídio hoje, tanto aquela que pensa e a que faz independe de cor de pela classe social, questão religiosa. O ser humano está sujeito, qualquer pessoa que tem uma característica um pouco mais próximo do suicídio, as vezes aquela pessoa que já tem uma personalidade mais depressiva, aquela que tem baixa tolerância a frustração, aquelas que guardam mágoa. Isso vai transformando o sentimento que eram para ser positivos em algo negativo.

Repórter- A depressão é uma doença silenciosa que na maioria das vezes a própria pessoa não consegue ver que está com a doença. Como identificar isso?

Queiroz- Muito silenciosa. Na depressão existe um componente comum hoje que é o cultural. As doenças mentais são consideradas tabus na sociedade, a pessoa tem vergonha de falar que está com a depressão, ansiedade. Ela mesmo não aceita, e tem a questão de achar que as pessoas vão rir dela pois tem a questão do julgamento das pessoas de fora. Mas isso não pode, porque a pessoa está doente e precisa de ajuda para recuperar a sua saúde mental.

Repórter- As pessoas que entram em depressão, em algumas situações, elas prejudicam não apenas a mente como também a saúde do corpo. Por quê?

Queiroz- Isso acontece, e parte para a área da somatização, que é quando você joga de mente para o corpo. Quando a mente não consegue elaborar os sinais que deve trabalhar, ela precisar jogar em algum lugar. A mente precisa descarregar e o que está mais próximo da gente é o corpo. Você vai demonstrar esses sintomas no seu corpo, e com isso vem as doenças somáticas, vem as dores no corpo, problemas de saúde que podem ser de origem emocional.

Repórter-. É possível a pessoa superar a depressão apenas com a força de vontade?

Queiroz- Consegue, mas depende muito da pessoa porque as vezes, ele realmente precisa de um auxílio. Uma das grandes formas de combater a depressão, ansiedade e suicídio é justamente você desenvolver a fala, pois a pessoa precisa verbalizar aquilo que está sentindo e não guardar para si. Na psicoterapia, é através do diálogo que ela vai conseguir se conhecer um pouco mais. As vezes a gente fica naquele padrão de mundo, geralmente a gente sempre pensa que nosso estado de vida é o certo e de repente está em um contexto diferente daquilo que você aprendeu quando era criança.

Repórter- Por que o mês de Setembro foi escolhido para realizar a campanha de prevenção do suicídio?

Queiroz- Foi escolhido porque dia 10 de setembro é considerado o dia mundial do combate ao suicídio. É uma campanha que ocorre no mundo todo, e escolheram este mês justamente para isso. A ideia surgiu através do Conselho Federal de Medicina o CVV (Centro de Valorização da Vida) e a Associação Brasileira de Psiquiatria, esses três órgãos se uniram para criar essa campanha específica de valorização à Vida e ao combate ao suicídio, Setembro Amarelo. Também temos o Janeiro Branco, mas é para falar das emoções no sentido geral, uma outra campanha que está forte.

Repórter- O índice de suicídios tem aumentado?

Queiroz- Tem. Temos dados oficiais que no mundo, a cada 40 segundos, uma pessoa comete suicídio e no Brasil 32 pessoas por dia se suicidam. É alarmante, triste é uma questão de saúde pública. As pessoas precisam de tratamento, não é errado adoecer mentalmente, todos nós estamos sujeitos. Assim como sair na rua e sofrer um acidente de trânsito você também pode ficar depressivo, pode surtar. Ter um surto Psicótico é normal, você é um ser humano, o que não é normal é o preconceito, obrigar a pessoa a ser perfeita numa sociedade que não é.

Repórter- Existe uma idade especifica para trabalhar o tema?

Queiroz- Com certeza na infância, acredito que devemos trabalhar no primeiro estágio da vida sempre, é mais louvável e benéfico pois este ser vai crescer já tendo aquilo no seu repertório de vida. Porque a criança, por mais que esteja em formação, começa a entender e ter noção do que é a vida, e o que é a morte. E por que não falar daquelas pessoas que buscam autodestruição a própria morte como uma saída? Pode- se trabalhar uma linguagem mais específica para a infância e acredito que para a adolescência, fase onde tem que chegar firme, temos os casos de automutilação e os jogos, como o jogo da Baleia Azul que foi muito comentado. Isso é um jovem, não só querendo chamar atenção, na verdade ele está dizendo que algo não está bem na vida dele. Ele não está conseguindo falar e transmite o sentimento através dos cortes. Ele mostra no corpo a dor dele.

 Repórter- Como os pais ou responsáveis devem lidar com o assunto?

Queiroz- Principalmente através do diálogo, pai mãe ou responsável precisam se aproximar deste adolescente porque a criança e o adolescente são seres em formação. Ele está formando e construindo sua personalidade e precisa sim, de pessoas para servir como modelo e adquirir experiência porque se sentem inseguros. Essa é uma fase de transição, no qual ele está com um pé na infância e outro na fase adulta. Tirando as transformações esperadas pela idade, é preciso conversar mais com os filhos. Existem muitos canais que os jovens estão utilizando principalmente a internet, os celulares e isso deixa ele mais vulnerável. Os jovens estão mais suscetíveis a desenvolver transtornos emocionais, pois pode não conseguir trabalhar isso através da relação com outro ser humano. Devido a isso, ele procura outros meios, mas é preciso faze-lo refletir sobre o que ele está utilizando, se é realmente saudável. A internet, as drogas que causam a dependência química, porque para os jovens que as utilizam, acham que é normal, que é solução para os problemas da vida dele, e nem sempre é assim. A gente sabe que ele usa aquilo como escape momentâneo, mas o efeito passa e a dor continua porque não foi na raiz dela, ele não conseguiu combater o mal pela raiz.

Repórter- Na sua avaliação, deveria existir psicólogos em todas as escolas estaduais e municipais de ensino?

Queiroz- É uma luta nossa. Devemos entender que se temos emoções, o profissional mais preparado para lidar com isso é o psicólogo, assistente social. É essencial a presença do psicólogo nas escolas, temos psicólogos que atendem na rede de saúde, porém não é a mesma coisa. O certo seria esses profissionais estarem nas escolas do Estado. Existe um projeto chamado AJA (Avanço do Jovem na Aprendizagem), já é um avanço, tem a figura do psicólogo dentro do projeto, eu por exemplo, trabalho na escola com média de 80 alunos faço um trabalho escolar. Às vezes, a pessoa não precisa de psicólogo ou terapia, mas de uma conversa. É preciso desabafar, chorar, isso também é terapêutico.

Repórter-. Como identificar a depressão na fase adulta?

Queiroz-. Em boa parte dos casos, a pessoa nega estar enfrentando a dificuldade. A dor que deixa de ser simples e passa a ser insuportável, e quando a pessoa vai guardando, a dor não passa e ela não encontra um sentido para a vida porque acredita que não vai mais conseguir achar uma solução. Na fase adulta, aquele que opta pelo suicídio não quer tirar a sua vida, mas sim tirar o problema que está na vida dele. A vida é como um quebra-cabeça, se tem uma pecinha mal encaixada ou faltando a pessoa não consegue resolver. Não conseguindo solucionar, ela amplia o problema, transformando algo pequeno em grandioso. Temos experiências de pessoas que depois que superaram a fase depressiva, perceberam que o problema era uma questão mínima, que era só resolver a situação que a dor acabaria. Ela desenvolveu mais resistência e mesmo que a dor ou a dificuldade continue, ela se torna mais forte e tem mais recursos para enfrentar o problema. Contudo mesmo sendo adulta, sozinha a pessoa não consegue reconhecer isso por diversos fatores, por timidez, vergonha, por achar que pode perder o emprego, o relacionamento. Esses fatores não deixam ela chegar nesse ponto, mas a partir do momento que a pessoa abre novas perspectivas, um novo horizonte a permite começar a ver a vida de uma forma diferente.

Repórter- Por que, que na terceira idade é mais difícil de lidar com este problema?

Querioz- O idoso é um pouco mais difícil porque entra a questão da parte física que são inerentes às condições humanas. Com o envelhecendo ela perde a capacidade que antes tinha, o idoso acaba se sentindo incapaz, pois agora nessa fase não consegue fazer as mesmas coisas que antes, como trabalhar, com isso vem o sentimento de abandono. O idoso enfrenta um sentimento de solidão que é muito comum nessa fase da vida isso o torna uma presa fácil para desenvolver depressão e chegar ao ponto de cometer suicídio, principalmente pelo sentimento de incapacidade.  É uma fase mais difícil porque envolve a parte física as pessoas que convivem com uma pessoa idosa precisar se atentar a essas situações.

Repórter- Como lidar com as pessoas que tentaram o suicídio, mas desistiram?

Queiroz- Estudos indicam que a pessoa que desenvolveu depressão ou tentou suicídio, a probabilidade dela tentar uma segunda vez é ainda maior do que a primeira. Todo cuidado é pouco, essa pessoa precisa ter um acompanhamento mais próximo e mais presente das figuras que fazem parte da vida dela, principalmente das pessoas que já a conhecem e ficaram sabendo o que ela passou, para que não deixe ela chegar nesse ponto de novo.
                       
Repórter- como evitar a depressão?

Queiroz- Todos devemos fazer um questionamento, um exemplo é a olhar no espelho questionar se houve alguma mudança de quatro a oito semanas atrás. Eu era uma pessoa mais feliz? Conseguia resolver os problemas? É algo que você pode fazer em casa, não conseguindo fazer isso e as respostas forem negativas, aí sim vai precisa de um apoio profissional. Ela sozinha vai negar, vai achar que não tem e principalmente, as pessoas que estão ao redor precisam dar apoio a aqueles que têm depressão tem. Os sintomas aparecem como a baixa confiança, perda de peso insônia. Vai ter momentos que teremos de enfrentar um certo tipo de crise na nossa vida, essas crises não devem ser enfrentadas como algo ruim. É algo que precisamos ter recursos para enfrentar e podemos conseguir principalmente com o auxílio de um profissional.


Nome completo: Edinelson Vilalba Queiroz
Idade: 30 anos
Naturalidade: Campo Grande
Formação: Graduado em psicologia, Queiroz realiza palestras de conscientização onde fala sobre a importância da valorização da vida humana no mundo.
Cargo atual: Psicólogo

Método proporciona lucro para produtor sem prejudicar o meio ambiente

Mato Grosso do Sul tem cerca de dois milhões de hectares onde os métodos da ILP e ILPF são utilizados

Luis Vilela



Foto: Famasul
Mato Grosso do Sul colabora de forma significativa com o mercado agropecuário do Brasil. Ao longo dos 40 do Estado, produtores se preocuparam em desenvolver a agropecuária da região. Com o 4º maior rebanho bovino do país, o Estado possui quase 21,4 mil cabeças por ano produzindo aproximadamente 52,3 mil arrobas. Na Agricultura houve ganhos consideráveis no seguimento internacional, em 1998 o faturamento com exportação agrícola foi US$130,7 milhões, já em 2016 o valor ultrapassou US$3,8 bilhões, o que representa crescimento de 2.865%.

O Estado é referência na qualidade de suas carnes e produtos agrícolas. Esse produto final é resultado de métodos que os produtores sul-mato-grossenses vêm desenvolvendo ao longo dos anos. Uma das técnicas que tem trazido resultados satisfatórios tanto para o produtor quanto ao meio ambiente, são as práticas de ILP (Integração Lavoura Pecuária) e ILPF (Integração Lavoura, Pecuária e Floresta).

A ILP consiste em desenvolver em uma mesma área, a cultura de lavoura e pecuária. Já na ILPF é introduzida também a cultura de florestas, como eucalipto e teca. “A ILPF envolve três componentes na mesma área: componente arbóreo espaçados em 14 a 20 metros, componente capim e agricultura, fazendo intensificação e diversificação em período do ano com pastagem e outro período com a agricultura, ” explica o supervisor do Programa Inova Mais do Senar- MS (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso do Sul), Deilton Medeiros.


Quando a associação é feita de forma planejada e racional, ela aumenta os rendimentos e gera benefícios ambientais. O conceito de "Agricultura Sustentável" tem sido amplamente discutido e divulgado, mas para ser realmente sustentável, é necessário beneficiar a sociedade como um todo. Isso significa que a agricultura sustentável deve manter ou melhorar a produção, com vantagens econômicas para os agricultores, sem prejudicar o meio ambiente.

Mato Grosso do Sul tem cerca de dois milhões de hectares onde os métodos da ILP e ILPF são utilizados, principalmente na região de Maracaju, município pioneiro no uso da técnica no Estado há mais de 20 anos. 

“Quando se faz a integração das duas coisas na mesma área é para aproveitar o capim que estava sendo usada antes apenas como proteção do solo, se você coloca um animal você tem um ganho a mais. Se antes era uma área que não era ocupada por animais, e o produtor coloca até três animais por hectare, o seu ganho em arroba por hectare passa de 5 a 6 arrobas por hectare/ano. E acaba que ele tem proteção do solo, depois vai dissecar esse capim vai vir com a cultura de soja e depois milho. Sobre a soja já tem pesquisas que apontam um ganho de 10 a 15 sacas por hectare quando se usa esse tipo de tecnologia, ” destaca Deilton.

O produtor Jorge Gaete, 52, conheceu o método graças aos programas de integração da Senar em parceria com o Sindicato Rural de Bela Vista (MS). Proprietário da fazenda Nelore Birigui, Gaete passou a investir em ILP ao ser apresentado a uma série de vantagens que a técnica proporciona. Ele contou que os equipamentos agrícolas necessários ele conseguiu emprestado de um parceiro e que em quatro anos trabalhando em uma área de aproximadamente 20 hectares viu seus lucros dobrarem. 

Satisfeito com a prática, o fazendeiro recomenda a outros produtores. “O método é interessante porque dentro do nosso sistema fazendo a integração, você tem a melhora do subsolo, tem resíduo de adubo e tem uma pastagem nova. A gente acredita que, pelo menos, com relação à pastagem normal dobra-se a quantidade de capim por hectare”, conta. Além do suporte técnico oferecido pela Senar-MS, os produtores que desejam investir no método também são auxiliados financeiramente pelo Plano ABC do governo federal, que possui uma linha de crédito específica para financiar projetos de integração de qualquer tipo, seja ILP, ILPF ou IPF.

Segundo o pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Roberto Giolo de Almeida, as integrações com adoção de plantio direto é uma alternativa para melhorar a eficiência na mitigação das emissões de GEE (gases de efeito estufa), isso porque considerando os três componentes: a lavoura em plantio direto contribui com menor perda de solo e manutenção ou até aumentos discretos da matéria orgânica do solo, a pastagem bem manejada eleva substancialmente o teor de matéria orgânica do solo e a árvore fixa grande quantidade de carbono em seu processo de crescimento. Assim, todos os componentes se bem-arranjados e manejados adequadamente, proporcionam condições de mitigação de GEEs. 

“A pastagem e o componente florestal apresentam potencial mais elevado de sequestro de carbono, entretanto, para a pastagem, deve-se considerar que os bovinos são grandes emissores de GEEs [em especial, de metano] e, portanto, o manejo da pastagem deve ser adequado para evitar a degradação (perda de carbono estocado no solo), o que acarretaria em maiores perdas de GEEs”, diz o pesquisador.

Evolução na pecuária de corte ao longo dos anos

Na pecuária, por exemplo, os animais eram abatidos de forma mais tardia, com mais de cinco anos de idade, pois não apresentavam nenhuma genética expressiva e não havia os cruzamentos entre raças que existem hoje. Segundo o supervisor do Programa Inova Mais do Senar-MS, Deilton Medeiros, era normal abater animais com mais de 20 arrobas sem acabamento, marmoreio, etc. Outra questão era alimentação, as pastagens eram basicamente nativas, quando havia alguma formação era à base de mudas e sem nenhum manejo ou melhoramento. Não havia suplementação para o gado, apenas fornecimento de sal branco em pastagens sem nenhum manejo.

“Hoje, com o melhoramento genético, cruzamento industrial e manejo adequado, cada vez mais são abatidos animais jovens, pesados e com acabamento de carcaça diferenciado, muitas propriedades utilizando o sistema de pastagem rotacionada, suplementação no cocho diferenciada para cada categoria o que leva a abater um animal precoce de um ano com 14 arrobas, trazendo todo marmoreio, suculência e qualidade que os mercados internacionais mais exigentes desejam”, explica Deilton.